Web Rádio Foguinho Eventos Zap (74)99954-6957

11 de jul de 2018

Jovem nascida em Capim Grosso é o novo rosto das novelas da Globo


Integrante de uma família de seis filhos, a jovem Milla, natural de Capim Grosso, ao completar 18 anos deixou a família e o seu pedaço de chão e foi para o Rio de Janeiro em busca de realizar o seu sonho: ser atriz, trabalhar na TV, ser estrela, ganhar a vida fazendo arte, interpretando, dando o seu melhor para uma das mais belas profissões da vida.

Deixar a cidade simples e de poucas perspectivas à época, para encarar uma metrópole de muitos desafios, certamente não seria fácil, mas quando o ser humano tem por meta ser feliz, conquistar, realizar o que tanto sonha, as barreiras passam a ser incentivos e foi assim que Milla seguiu sua caminhada, focada sempre no seu objetivo, chegar a TV, trabalhar em novelas, ser atriz, viver da arte, viver da vida proporcionada pelas idas e vindas de uma grande cidade.
Mas como alcançar um objetivo tão grande em centro de tantos desafios? Estudando. E foi enfrentar a sala de aula, os livros, assim Milla, anos mais tarde, em meio a muita luta, que o seu grande sonho começou a se transformar em realidade, mas antes de revelar onde a jovem morena de cabelos encaracolados, sorrisão sempre à disposição da vida chegou, é bom dizer também, que foi no teatro da escola que tudo começou para valer, das interpretações na escola para um teatro profissional, do teatro profissional para a TV, tendo como colaboração nesse processo de Priscila Lobo.
“Eu era muito noveleira e teve um dia que eu estava assistindo uma sena da novela Beijo do Vampiro, com a minha irmã e do nada a minha irmã falou: Milla, já pensou você na novela beijando o Caíque Brito? E aquilo me despertou o desejo de virar atriz e comecei a pesquisar, buscar informações de como poderia buscar tudo isso e assim que eu completei meus 18 anos, eu fui morar no Rio de Janeiro”. Ao chegar no Rio, fui buscar uma escola para estudar, fazer cursos, trabalhar, desenvolver o trabalho para chegar onde eu queria. Em 2015, eu fiz um teste para a novela o Velho Chico, numa indicação de Priscila Lobo, passei, mas acabei priorizando uma Companhia de Teatro, ficando por lá num período de um ano, depois disso sair por falta de espaço para estudar, continuei estudando e agora em 2018 uma produtora da Globo me enviou um e-mail me convidando para fazer a novela Segundo Sol, por conta do cadastro que eu tinha feito com a ajuda de Priscila Logo e para a minha felicidade e concretização eu estou na novela”, colocou Milla, em conversa com o REPORTERBAHIA.
Estreando no papel de Fabiana, personagem que trabalha na casa de Laureta, (Adriana Esteves), casa essa que é um prostibulo de luxo, Milla alcançou o seu grande objetivo e passou a ser o mais novo rosto das novelas da Globo, tendo como principal virtude a magia do sorriso, somado sempre a vontade de vencer na vida e deixar como mensagem, que não importa de onde você venha, seja de lugares grandes ou pequenos, a força de vontade, a determinação, o desejo por algo na vida servirão apenas de escada para a realização de qualquer sonho.
Há nove anos distante de Capim Grosso, Milla agora pode ser vista via TV, aparelho que um dia numa sugestão da sua irmã e certamente sem muitas pretensões, nasceu o desejo de entrar para a telinha e fazer desse meio de comunicação de tão grande expressão mundo a fora, o seu espaço, a sua condição de vida na função agora de atriz e não mais de uma sonhadora do distante nordeste brasileiro, lugar de muita gente do bem, do trabalho, da vida, mas que tem em seu pedaço de chão os registros das muitas dificuldades que o seu povo enfrenta no dia-a-dia de muita poeira e longas jornadas de trabalho para garantir o tão suado pão nosso de cada dia.
“Quando a minha irmã falou para ser atriz para beijar o caíque Brito, entrar para a TV, não era para simplesmente beijar o Caíque, ou outro ator, entrar para a TV, para fazer da TV o meu mundo, a minha vida”, disse Milla.
Além de atriz, Milla também é modelo e foi nas passarelas dos grandes desfiles de moda no Rio de Janeiro, que Milla encontrou sustentação para alcançar o seu grande objetivo, ser atriz, está na TV, ser vista, ser admirada, ser .
Fonte: reportebahia.com – Fotos: Milla. 

Senado aprova ampliação da potência de rádios comunitárias

O Senado aprovou nesta terça-feira (10) um projeto que prevê o aumento de potência máxima de rádios comunitárias, dos atuais 25 Watts para até 150 Watts.

O projeto foi apresentado pelo senador Hélio José (Pros-DF) e seguirá para análise da Câmara dos Deputados.

Para virar lei, o texto ainda precisa ser aprovado pelos deputados e sancionado pelo presidente Michel Temer.

Pela proposta, as novas regras entrarão em vigor 45 dias após a publicação do texto no "Diário Oficial da União".

Mudanças

Inicialmente, a proposta previa que a potência máxima poderia chegar a 300 Watts. No entanto, um acordo feito entre os senadores reduziu o teto para 150 Watts.

Outra modificação, feita pelo relator, Otto Alencar (PSD-BA), diz respeito ao número de canais designados na faixa de frequência do serviço de radiodifusão sonora em frequência modulada. O texto inicial previa três canais para essa finalidade. Alencar alterou para dois.

Essas modificações deverão ser regulamentadas pelo Ministério das Comunicações, ao qual caberá dizer qual potência será permitida em uma determinada localidade.

Segundo Otto Alencar, a aprovação da proposta só foi possível após essas alterações. Uma potência maior, de até 300 Watts, por exemplo, de acordo Alencar, poderia causar "interferências" no sinal de outras rádios.


FONTE: G1

Capim Grosso: Delegado diz que 90% das mortes registradas tem envolvimento com tráfico de drogas

O delegado de polícia de Capim Grosso, Dr. Humberto Marino, em participação no final da tarde dessa terça-feira, 10 de julho, no Jornal Transamérica 2ª edição, informou que 90% das mortes que vem sendo registradas em Capim Grosso tem envolvimento com o tráfico de drogas. “Como disse na entrevista anterior acompanhado do Major Medeiros, o tráfico tem requisitado adolescentes para tomar conta das chamadas bocas de fumo. Isso tem sido prática em Capim Grosso e em todo o país, pelo fato do adolescente não responder criminalmente, o que acaba dificultando até mesmo o trabalho da polícia”, disse o delegado.

Em 2018, a polícia já registrou 16 assassinatos, cinco tentativas de homicídios e uma morte em confronto com policiais da RONDESP, fato registrado no Bairro José Mendes de Queiroz, Contorno de São José do Jacuípe, incluindo ainda a morte da garota de seis anos de idade, vítima de disparo de arma de fogo, no dia 04 de março, no Bairro Novo Oeste, fato de grande repercussão na cidade e que segundo informou o delegado, tem sido prioridade no trabalho de investigação, com identificação dos envolvidos e já com pedidos de prisão expedidos para a justiça. “Esse caso de grande comoção, tem sido trabalhado com muita efetividade pela nossa equipe. Os envolvidos já foram todos identificados e será uma questão de tempo prendê-los”, disse o delegado.

Fonte: reportebahia.com

Visita Online