Web Rádio Foguinho Eventos Zap (74)99954-6957

11 de jun de 2019

Major Medeiros confirma em entrevista que poderá deixar o comando da 91ª CIPM; Promotora de Justiça diz que sua saída nesse momento poderá interferir nas ações que vem sendo realizadas

Em entrevista na última quinta-feira, 06 de Junho, o Major Medeiros, comemorando resultados dos trabalhos que vem sendo realizados em Capim Grosso e nas demais cidades que integram a área de atuação da 91ª CIPM, com sede em Capim Grosso, confirmou o que foi publicado na última semana pelo REPORTERBAHIA, que existe sim a possibilidade do mesmo deixar o comando da PM em Capim Grosso, mas até aqui não tem nada confirmado. “Realmente existe essa possibilidade, mas a nossa vontade é de ficar trabalhando em Capim Grosso”, disse o Major feliz pelo trabalho que vem sendo desenvolvido e acima de tudo pelos resultados alcançados.

Quem também falou sobre a atuação da Polícia Militar, com extensão para o trabalho da Policia Civil, foi a promotora de Justiça de Capim Grosso, Dra. Cintia. “Os resultados que estão sendo alcançados são frutos de um trabalho que teve início em 2018, ano que registrou 21 mortes na cidade. Comecei a ouvir moradores se dizendo preocupados com o número de pessoas assassinadas, incluindo roubo/furto de celulares, dentre outras ocorrências que nos levou a realizar um trabalho com as participações das policias: Militar e Civil, Judiciário, Poder Executivo, Legislativo, com a realização em Fevereiro da audiência pública, para falar sobre segurança. Todo esse período reuniões e mais reuniões vem sendo realizadas, apuração dos fatos, a ponto de recebermos novos policiais, o que ajudou de fato a consolidar todo o planejamento e ações que vinham sendo realizadas; hoje estamos colhendo frutos, mas não podemos deixar de vigiar um só instante e a saída do Major Medeiros nesse momento, poderá comprometer todo o trabalho que vem sendo realizado, precisamos unir forças para que essa decisão não venha ser registrada nesse momento de tão importantes resultados”, disse a promotora.
Desde outubro de 2017 trabalhando na cidade, a promotora  que atua como substituta na cidade de Mairi, disse que pelo fato a Comarca de Capim Grosso ter ficado em média seis anos, sem um promotor titular acarretou em uma demanda muito alta de ações e decisões que precisaram ser tomadas nesse período. “Foi uma fase difícil, mas as coisas estão andando e o resultado está aí toda a população vivendo um período de tranquilidade em toda a cidade”.
Sobre essa tranquilidade, o Major Medeiros disse que já são quase 50 dias, sem um crime de morte em Capim Grosso, para um ano que começou assustando toda a população, com fatos de todos os tamanhos.
Dra. Cintia falou ainda a prisão de 12 pessoas presas e respondendo judicialmente nesse período da força tarefa envolvendo Ministério Público, 91ª CIPM, Policia Civil e Judiciário, bem como outras ações, que seguem sob investigações, inclusive o caso da garotinha de seis anos, que morreu em decorrência de um tiro disparado logo após um jovem de 19 anos, ter sido assassinado no Bairro Novo Oeste, bem como informações sobre a morte de Tamires, jovem vítima do feminicidio, no dia 10 de Fevereiro, no Bairro Planaltino. “O pedido de prisão do autor do crime foi feito por mim, com resultado alcançado pouco tempo depois. Ele ainda não foi transferido, devido a essa situação ser de responsabilidade da SSP – Secretaria de Segurança Pública do Estado – mas independente dele está aqui, ou onde foi preso, o importante mesmo é que o trabalho realizado atingiu o objetivo e assim segue o Ministério Público trabalhando com muita energia em nome do bem-estar de toda a população”, disse a promotora, que toda segunda-feira, realiza atendimento da população, em um trabalho que visa envolver ainda mais a população na garantia de direitos, disse Dra. Cintia, com apoio incondicional do Major Medeiros e toda sua equipe de trabalho.
Texto e fotos: Arnaldo Silva, DRT – 2805/BA

Nenhum comentário:

Tabela do Campeonato Brasileiro Serie A 2018.

Visita Online